Flexibilidade atrai 3 em cada 10 brasileiros para locação em 2021

Aluguéis atraem 30% dos brasileiros, que querem preservar sua liberdade de escolha ou estão receosos com o cenário econômico.

As mudanças no estilo de vida e nos formatos de trabalho trazidas pela pandemia vêm tornando os aluguéis ainda mais atraentes para quem quer preservar sua liberdade de escolha ou encontra-se receoso com o cenário econômico.

Uma pesquisa conduzida pelo Datafolha e QuintoAndar mostra que 27% dos brasileiros moram em imóvel alugado – quase três em cada dez. O grupo de locatários valoriza a flexibilidade desse modelo, já que 58% afirmam terem grandes chances de se mudar nos próximos dois anos, boa parte motivada por projetos pessoais. Outros 3% moram de favor. Há ainda 8% que vivem em imóveis financiados, ou seja, assumiram dívidas ainda não quitadas junto aos bancos. 

Apartamento em São Paulo

Veja também:

Como a tendência do “living as a service” vem ganhando espaço no Brasil?

Novo índice de reajuste promete melhorar as negociações para proprietários e locatários

Qual a diferença entre os preços anunciados e os fixados no contrato de aluguel? 

Saiba quais os bairros mais rentáveis de SP para imóveis de locação

As recentes mudanças trazidas pela pandemia vêm ajudando a impulsionar o mercado de locação no Brasil com a possibilidade que o modelo oferece de se adaptar a diferentes perfis e momentos de vida com rapidez e agilidade. Apenas no ano passado, a soma dos aluguéis registrou alta de 35% em relação ao ano anterior, com R$ 2,8 bilhões pagos aos proprietários. Os dados são da startup Kenlo e foram obtidos junto a 10 mil entrevistados, entre corretores, imobiliárias e administradores.

Em Nova York, nos Estados Unidos, essa tendência ajuda a explicar a alta nos preços dos aluguéis. A cidade, que sofreu um forte êxodo no auge da pandemia, com alta taxa de vacância nos imóveis, agora registra recorde no valor de locação. 

Pessoas caminham pelas ruas de Nova York

Em fevereiro, os nova-iorquinos pagaram, em média, US$ 3.700 de aluguel. O número representa um aumento de 24% em relação a 2021 e uma alta de 4,2% na comparação com janeiro, crescimento bastante incomum num período tão curto. O estoque de imóveis da cidade praticamente zerou. Dos 11% apartamentos desocupados no ano passado, restam apenas 1,32%. Os dados fazem parte de um relatório elaborado pela corretora Douglas Elliman e a avaliadora imobiliária Miller Samuel.

A volta ao trabalho presencial que ocorreu nos Estados Unidos também deve influenciar o mercado brasileiro, fazendo crescer a demanda por imóveis bem localizados. A Yuca opera em diversas regiões de São Paulo e está pronta para auxiliar proprietários e investidores a rentabilizar seus ativos com segurança e eficiência a cada mudança de cenário. Conheça nossas soluções!

Posts relacionados

Transformando estoque em oportunidade para Incorporadoras

Entenda como a locação pode ser a solução para o problema de estoque das Incorporadoras.

Leia mais

As oportunidades para a incorporação no ‘quadrilátero de ouro’ da capital paulista

Ao contrário de outros países, onde a valorização imobiliária está mais pulverizada, no Brasil o trecho que inclui os bairros de Jardins...

Leia mais

Entenda como funciona o investimento residencial para renda com a Yuca

O mercado de investimento residencial para renda está crescendo no Brasil e consolidando uma nova forma de ganhar dinheiro com imóveis de...

Leia mais

    Quer receber conteúdos exclusivos? Assine nossa news! :)

    Yuca Comunidade e Tecnologia Ltda @ 2024 CNPJ: 34.399.713/0001-90