Com esvaziamento dos escritórios, residenciais são a bola da vez dos investidores imobiliários

Grandes centros empresariais do mundo enfrentam altas taxas de desocupação. A longo prazo, projeções indicam que focar em investimentos residenciais trará mais retorno para as carteiras imobiliárias.

2021 foi um ano inédito no cenário de investimentos imobiliários: este foi o primeiro ano em que imóveis residenciais apareceram no topo das preferências dos investidores, desbancando as tradicionais apostas em unidades corporativas. Um ano depois, a atenção em imóveis residenciais continua em alta. Na Austrália e nos Estados Unidos, os investimentos em escritórios estão abaixo da média anterior à pandemia. Para os norte-americanos, esses espaços atualmente representam apenas um quinto das transações do segmento comercial, após décadas respondendo pela maior fatia das carteiras imobiliárias.

Buscando explicar os motivos por trás dessa mudança, a revista britânica The Economist publicou uma reportagem com dados e comparações desse mercado ao redor do mundo, registrando como diversas metrópoles vêm lidando com o esvaziamento e a desvalorização dos edifícios de escritórios. Apesar dos esforços em trazer de volta as equipes ao trabalho presencial, a resistência de parte dos colaboradores combinada a novas ondas de contaminação aumentam as incertezas sobre o futuro desses locais e dos distritos comerciais globais.

Veja também:

Alta do preço dos combustíveis faz brasileiro priorizar moradia perto do trabalho

Retrofit, compra na planta e incorporação são mais rentáveis do que a locação?

As 5 maneiras de investir no mercado residencial

Flexibilidade atrai 3 em cada 10 brasileiros para locação em 2021

Como a tendência do “living as a service” vem ganhando espaço no Brasil?

Novo índice de reajuste promete melhorar as negociações para proprietários e locatários

Qual a diferença entre os preços anunciados e os fixados no contrato de aluguel? 

Saiba quais os bairros mais rentáveis de SP para imóveis de locação

A mudança dos escritórios para dentro de casa


Os principais centros financeiros, como Manhattan e os bairros de Marunouchi, em Tóquio, e La Défense, em Paris, veem seus escritórios cada vez menos frequentados. City, em Londres, tem 18% de seus escritórios vazios. “Antes dos lockdowns, os 21 maiores distritos comerciais do mundo abrigavam 4,5 milhões de trabalhadores e cerca de 20% das sedes de empresas da Fortune Global 500, segundo a EY e o Urban Land Institute”, cita a Economist.

A maior parte desse contingente migrou para o home office, de acordo com a reportagem. Uma vez em casa, os executivos vivenciaram vantagens das quais não querem abrir mão, como evitar o trânsito. Por isso, os investidores agora se perguntam, ao olhar a longo prazo, se as torres de escritórios vão continuar atrativas. “No mundo todo, os escritórios desocupados representam 12% do total – antes da pandemia, eram 8%. Em Londres, 18% dos escritórios estão vazios. Em Nova York, são quase 16%”.
Esses espaços corporativos, sobretudo nos bairros comerciais, estão perdendo terreno para áreas de imóveis com melhor desempenho, como armazéns e edifícios residenciais.

Vacância também preocupa no Brasil

Antes da pandemia, a média de desocupação dos imóveis corporativos no país era de 15,96%, considerada aceitável. No final do ano passado, esse número já havia chegado em 25,15%. Dados da Siila, multinacional focada no mercado imobiliário comercial, indicam que o patamar deve se manter ao longo deste ano, baixando para apenas 24% de desocupação no segundo semestre.

Em São Paulo, a entrega de novas lajes de escritórios vai dificultar ainda mais a retomada desse segmento. Enquanto nos anos de 2019 e 2020, somados, foram produzidos 100 mil metros quadrados corporativos, somente em 2021 chegaram ao mercado mais 154,2 mil metros quadrados. Para este ano, a expectativa é de outros 178,5 mil novos metros de escritórios de alto padrão, distribuídos pelos principais centros corporativos da capital paulista, como as imediações das avenidas Santo Amaro, Chucri Zaidan, Pinheiros e Faria Lima. Especialistas questionam se o fôlego desses distritos e dos edifícios que abrigam será suficiente para atravessar este terceiro ano de pandemia.

Longo prazo: residenciais em alta nos investimentos


A maioria dos investidores adota uma perspectiva de longo prazo. Percebem, por exemplo, que as pessoas estão trocando os escritórios antigos e fechados por locais de trabalho modernos e mais verdes. Melhores sistemas de filtragem de ar e amenidades de maior qualidade são atrativos. Entretanto, essas propriedades de alto padrão representam 20% ou menos dos edifícios na maioria das cidades.
É possível que reformas e retrofits rejuvenesçam alguns edifícios, mas seu custo é alto tanto em recursos, quanto nas burocracias e tempo despendidos. Tudo indica que a aposta nos residenciais, para quem olha a longo prazo, pode ser mais vantajosa neste momento.

Esse é, portanto, o momento ideal para você diversificar sua carteira de investimentos com um ativo imobiliário que proporcione boa rentabilidade e proteção contra a inflação. Conheça as soluções Yuca para investidores e tenha o melhor retorno do mercado sem preocupações.

Posts relacionados

Confira o futuro do mercado imobiliário com o fim da pandemia

Com o avanço da vacinação e os números da Covid-19 caindo no Brasil, São Paulo se prepara para a volta aos escritórios...

Leia mais

Saiba por que o ESG é tão importante no mercado imobiliário

ESG no mercado imobiliário traz à tona materiais como a madeira na construção civil

Leia mais

Locação em SP: um dos mercados mais rentáveis do país

Um imóvel alugado na capital paulista costuma render mais do que a média brasileira. O retorno supera até mesmo aplicações indexadas pela...

Leia mais

Quer receber conteúdos exclusivos? Assine nossa news! :)

Yuca Comunidade e Tecnologia Ltda @ 2022 CNPJ: 34.399.713/0001-90